quinta-feira, 7 de novembro de 2013

No Alto do Cristo (No Morro do Cristo)





No Alto do Cristo, de onde a cidade parece estender-se como presépio sobre o planalto entre a rodovia e o rio, certa noite Dy e eu trocávamos calores, hálitos e sussurros num idílio em que nossas almas pareciam fundir-se.


No Alto do Cristo as estrelas são mais próximas, o calor noturno  deita-se delicado.


Dy e eu, então, tínhamos os corpos ponteados de pequeninos azuis estelares, envolvidos pela suavidade do verão em nós, como lençol de fino véu de seda.
O que dizíamos? Assuntos nossos, somente nossos; diálogos registrados para sempre nos invisíveis fios das ondas eternas que constroem a existência, a vida e o tempo.
No Alto do Cristo a noite avançou impelindo-me a descer para o seio do presépio de casas reais, ruas, praças, igrejas, arvoredos.


Olhando para o alto o Cristo em estátua me pareceu pequeno, contudo, seus braços abertos me sugeriam estarem a postos em proteção e bênçãos a Dy. Confiei que sim.
Segui pensativo pela avenida estreita, angustiado pelo dilema que me acometera se devia ou não voltar.
Assuntos nossos somente nossos conduziam-me à indecisão.
Julguei melhor não voltar. Nunca mais.

Passei noites sem dormir, dias sem viver, mas a decisão haveria de ser cumprida.
Que tolice, percebi além, muito além.
Em não voltar, penso, feri Dy. Em não voltar deixei meu coração no morro do Cristo, abandonei minha alma pelas ruas e praças e igrejas e todos os arvoredos da  cidade-presépio. Em não voltar vi minha vida transformar-se em escombros.

Hoje, às vezes acordo no meio do sono, ou me assaltam pesadelos de remorsos no meio do dia e penso: Se o morro e o Cristo estão ainda lá, por que essa esperança de Dy que há tempo me cicatriza o coração haveria de não estar? Se conheço o caminho, por que insisto em não retornar?
Porque faz tanto tempo. Respondo-me.
Ela já nem se lembrará. Deduzo.
Se se lembrar nem me desejará mais. Lamento.

Certa noite no morro do Cristo eu fui tão feliz ao lado de Dy!
Agora, prisioneiro de um remorso que eu poderia ter evitado se  voltado  ao Alto do Cristo.
Agora, um morro, um cristo e uma saudade interminável de uma namorada cujas feições, timbres e cheiros já nem sei mais.